top of page

É permitida a transcrição total ou parcial das matérias deste blog, DESDE QUE CITADA A FONTE

Banner_site_novos_planos.png
GOV_0040_24_INFORMES-REGULARES-JUNHO_RMR_728X90 (1).gif
Cabeçalho Blog Marcelo Jorge Okay.jpg

Projeto que atingiria frontalmente economia de Cachoeirinha, está fora de pauta

Com argumentos de Débora Almeida que levaram autor da proposta inicial de retirá-la de pauta, ganham dentre outros os produtores do município de Cachoeirinha que tem na confecção de esporas e demais equipamentos para atividades equestres, a garantia de manutenção da economia local e regional
Foto: Matheus Augusto/ Texto: Nilton Lemos

Nesta terça (27/6) a Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Assembleia Legislativa discutiu o projeto de lei de número 612/2023, do deputado Romero Albuquerque, que proibia a fabricação e comercialização de esporas. O projeto teve pedido de vistas, mas, diante da pressão dos deputados e, em especial, da relatora, a deputada Débora Almeida (PSDB), que se posicionou pela inconstitucionalidade do projeto, o autor afirmou que irá retirar a proposta de tramitação.

De acordo com a deputada, as esporas são usadas no mundo equino para a comunicação e controle do cavalo. Elas proporcionam clareza na comunicação entre o cavaleiro e o animal, sendo fundamentais em práticas esportivas e atividades na fazenda. Além disso, as esporas auxiliam no adestramento, permitindo comandos mais precisos e compreensíveis.

Em Pernambuco e no Brasil, elas são amplamente utilizadas tanto no meio rural, hipismo e na vaquejada. O uso das esporas não visa causar dor nos animais, mas sim transmitir sensações através do metal em contato com a pele.

O artesão, impedido de vender seus produtos legalmente, sofrerá com a perda de renda, queda de arrecadação do município e dificuldades financeiras. Além disso, a proibição poderia deixar o artesão desempregado, causando incertezas financeiras e preocupações com o futuro. Outro efeito seria a desvalorização das habilidades do artesão, uma vez que seu ofício seria considerado ilegal, levando à perda de prestígio profissional”, ressalta a parlamentar, que tem forte atuação no setor do agronegócio.

O parecer final em relação ao projeto ressaltou que não há como negar que a proposição, sob um ponto de vista de impacto regulatório, atinge o ecossistema produtivo em torno das atividades culturais e econômicas relativas aos esportes equestres, rodeios e vaquejada, bem como traz o risco de inviabilizar as atividades do dia a dia em zonas rurais. “Guardadas as considerações acerca da afronta a instrumentos intrinsecamente ligados à identidade de manifestações culturais de caráter nacional, acreditamos que a matéria viola, ainda, o princípio da liberdade de iniciativa, essencial à ordem econômica consagrada tanto na Constituição da República (art. 170), quanto na Constituição Estadual (art. 139)”, afirma o parecer.

A proibição também pode resultar na perda de patrimônio cultural, já que muitas tradições e conhecimentos são preservados pelos artesãos. “Ademais, os artesãos irão ter dificuldades para se reinserir no mercado de trabalho, o que ocasionará o desemprego prolongado causando impactos emocionais e psicológicos, levando à frustração, desânimo e perda de propósito para os artesãos”, conclui a deputada Debora Almeida.
0 comentário

留言


bottom of page