https://d1uzdx1j6g4d0a.cloudfront.net/players/topo/18/62916?identifier=www.radiobrasilnordeste.com&source=1377
 
MARCELO JORGE - BANNER SEGURANÇA-728X90PX.png
CARD GRANJA ALMEIDA MAI2022.png

É permitida a transcrição total ou parcial das matérias deste blog, DESDE QUE CITADA A FONTE

SOB O COMANDO DOS VICES: Quem substituirá os 03 prefeitos que concorrerão ao Governo de Pernambuco?

Com o necessário afastamento dos titulares dos cargos em Petrolina, Caruaru e Jaboatão dos Guararapes, que concorrerão ao cargo de Governador, os ‘reservas’ saem dos bancos e passam a ser protagonistas destes governos
Anderson, Raquel e Miguel, tendo acima seus respectivos vices (Fotomontagem)

Neste ano de desafios, ainda marcado por uma pandemia que insiste em manter a população mascarada e refém, em muitas situações, dos protocolos e decisões de governos estaduais e municipais, reforçada mais recentemente por uma guerra desencadeada no leste europeu, mas que já influencia também a economia de quase todos os países do mundo, o Brasil vai vivenciar seus confrontos e disputas, só de forma democrática e na arena política.

Em Pernambuco, três prefeitos de grandes municípios do estado já vem se articulando separadamente para encabeçarem, supostamente, um projeto unificado: A conquista da cadeira política mais importante do estado com a destituição, através das urnas, do governo do PSB, representado pelo Governador Paulo Câmara e seu indicado para substituí-lo, Deputado Federal Danilo Cabral

Abrindo mãos dos seus mandatos como prefeitos das cidades-polo de Petrolina, Caruaru e Jaboatão dos Guararapes, Miguel Coelho (União Brasil), Raquel Lyra (PSDB) e Anderson Ferreira (PL) respectivamente, ensejam participar da disputa pelo Palácio do Campo das Princesas e para isso estes gestores terão, em razão da legislação eleitoral, até o próximo dia 02 de abril para deixarem seus cargos eletivos.

Para os substituírem nestes municípios, os seus vice-prefeitos serão os novos gestores, e todos tem em comum uma forte relação pessoal com os substituído e acima de tudo muita discrição.


PETROLINA

Vice Simão Durando

Com o anúncio no final de fevereiro, do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho de que permanecerá à frente da gestão da cidade apenas até o próximo dia 30 de março, o seu vice Simão Durando (União Brasil) já está pronto para assumir o posto. Durando é vice de Miguel desde 2020, mas mantém sólidos laços e muito anteriores com a família Coelho. Simão, foi assessor do Deputado Federal Fernando Filho e depois desempenhou o cargo de diretor do SEST SENAT e secretário de Governo no primeiro mandato de Miguel. Segundo relatos do próprio vice-prefeito, ao ‘Diário de Pernambuco’ seus laços com os Coelho ultrapassam, inclusive, questões políticas. Em um post no Instagram no dia 28 de fevereiro, aniversário de Fernando Filho, Durando parabenizou o parlamentar e disse considerar uma honra “tê-lo como mais que um conselheiro, um amigo, padrinho de minha filha, um compadre de todas as horas”.

Prestes a assumir a gestão de Petrolina, ele frisa que tem um perfil diferente do de Miguel, que “gosta mais de ouvir do que falar”, e espera dar continuidade ao trabalho que o pré-candidato a governador tem executado no município. “Este é um momento muito marcante na minha vida, que vou encarar com a paixão que tenho pela cidade onde eu nasci, cresci, me casei e tive duas filhas lindas. Vou seguir caminhando com muita humildade, dando continuidade à gestão, honrando a confiança e a aliança que firmamos com as pessoas. Com certeza será um desafio, mas estou muito animado”, disse.


CARUARU

Vice Rodrigo Pinheiro

Em Caruaru, Rodrigo Pinheiro (PSDB) está ao lado de Raquel Lyra (PSDB) desde a primeira vez que a filha do ex-governador João Lyra sentou na cadeira de prefeita. Como a prefeita não declarou de forma oficial seu afastamento da gestão para disputar o cargo de Governo do Estado, ainda existe um clima de expectativa dentro da administração. Contactado pelo blog ‘marcelojorge.com’ a assessora de imprensa do vice-prefeito Rodrigo, comunicou que o mesmo prefere não se manifestar, mantendo sua discrição. .

No ano de 2016, porém, pouco antes de iniciar o primeiro mandato como vice-prefeito de Caruaru, Pinheiro conversou com o NE10 Interior e contou detalhes da sua trajetória e da relação com Raquel. Naquela ocasião, ele afirmou que sempre fez parte do grupo político da família Lyra e que conhece a prefeita há muitos anos, pois estudaram no mesmo colégio.

Na citada matéria, Rodrigo declarou na época: "A conheço desde criança. Estudamos no mesmo colégio, o Centro Educacional Montessori. Éramos do PSB até o início deste ano (2016). Por motivos políticos, Raquel Lyra migrou para o PSDB. No mesmo momento da filiação dela também mudamos para este partido". Apesar de oriundo do meio empresarial, a origem familiar de Rodrigo Pinheiro também se mistura com a política, pois ele é filho do ex-vereador José Pinheiro dos Santos Filho, que era conhecido como Pinheirão, falecido em 2012.


JABOATÃO

Vice Luiz Medeiros

E por fim, outro prefeito-candidato que escolheu um vice da sua estrita confiança foi Anderson Ferreira (PL), gestor de Jaboatão dos Guararapes. O liberal também não bateu o martelo com relação à sua participação no pleito deste ano, mas a chegada do presidente Jair Bolsonaro ao seu partido parece indicar que dificilmente ele não encabeçará uma chapa em Pernambuco. Se isso ocorrer, Luiz Medeiros (PSC) se tornará o novo gestor do segundo maior colégio eleitoral do Estado.

O vice-prefeito também preferiu não falar com a reportagem, mas sabe-se que ele já foi secretário de Infraestrutura, de Desenvolvimento Econômico e chefe de gabinete de Anderson antes de concorrer à prefeitura ao lado dele. Medeiros também foi presidente da Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI).

Considerado um homem reservado, comenta-se que desde que a pré-campanha de Anderson se intensificou, Luiz Medeiros vem sendo visto mais vezes em agendas públicas, com maior contato com a população, lideranças comunitárias e vereadores.

Semelhantemente aos anteriores, ele preferiu também não falar com a reportagem.


Vale lembrar que segundo a Legislação Eleitoral, o prefeito eleito que desejar disputar um cargo diferente do seu (neste caso, o de governador do Estado) deve afastar-se do atual cargo seis meses antes das eleições e caso não seja eleito NÃO PODERÁ MAIS VOLTAR A GOVERNAR O SEU MUNICÍPIO, sendo esse cargo assumido por seu Vice, pelo restante do mandato.
0 comentário