top of page

É permitida a transcrição total ou parcial das matérias deste blog, DESDE QUE CITADA A FONTE

Banner_site_novos_planos.png
GOV_0040_24_INFORMES-REGULARES-JUNHO_RMR_728X90 (1).gif
Cabeçalho Blog Marcelo Jorge Okay.jpg

ANÁLISE: Porque vereador de Garanhuns pagou com mandato por atitude irregular do seu partido?

Detentor de uma legislatura eficaz, no entanto pagando caro pela escolha de ser oposicionista, com a negação dos seus projetos desalinhados com o Governo Municipal, Thiago Paes é vítima de uma lei no mínimo equivocada e mesmo sem se desviar da boa conduta parlamentar e sem cometer nenhum ato desabonador foi duramente castigado com a perda do mandato eletivo.

*Por Marcelo Jorge

Tendo disputado pela primeira vez um cargo eletivo em 2018, postulando uma vaga para a Assembleia Legislativa estadual, quando obteve a expressiva marca de quase 8 mil votos, não sendo no entanto eleito naquela oportunidade, o sendo posteriormente em 2020 com 856 votos para uma das vagas na Câmara Municipal de Garanhuns, em Pernambuco , quantidade de votos suficientes para sua legenda fazer um vereador, o conservador Thiago Paes (PL) deixa uma lacuna na casa legislativa municipal.

Tanto do ponto de vista ideológico assumido como um político de direita, alinhado com valores como Deus, Pátria e família, bem como pela postura em defesa do município em face às atitudes incorretas da administração pública, não é errado concluir que Thiago sofreu um duro e injusto golpe por uma posição equivocada do seu partido, o extinto DEM, em relação a chamada "fraude na cota de gênero".

A decisão judicial aconteceu na última terça-feira (10) através do processo Nº 0600769-07.2020.6.17.0056. A Cota de gênero é um instituto jurídico cujo objetivo é equilibrar a representatividade dos gêneros na política. A sub-representação feminina é uma realidade. Segundo dados da Eleição Geral de 2018, divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)2, as mulheres representam 52,5% do total de eleitores no Brasil, mas apenas 16,20% dos cargos eletivos foram preenchidos por elas.

Nos eximindo portanto de entrar em detalhes mais profundos sobre esta lei, exaustivamente debatida e que julgamos correta na intenção, mas aplicada de forma injusta contra o político legitimamente eleito e não somente contra seu partido, o fato de não pertencer à base política aliada de uma administração, traz muitos contratempos para um vereador que opta por não rezar na catecismo da gestão municipal.

Dentre estas desvantagens estão não dispor de cargos municipais para acolher aliados; assistir seus projetos viáveis serem reprovados pelos demais vereadores; não ter demandas atendidas pelo governo ao qual se opõe; sofrer sucessivas derrotas na apresentação destes seus projetos; ser discriminado e excluído de reuniões nas quais se vota de 'porteira fechada' em projetos polêmicos e obscuros e um fato anda mais desanimador: sofrer perseguição política de colegas e servidores municipais, tornando a labuta diária de um vereador oposicionista ainda mais sacrificada. Essa postura da base aliada ao mesmo tempo ditatorial para com colegas que pensam diferente e subserviente ao 'el patron' serve para desgastar a imagem do oposicionista com o claro objetivo de minar as forças do parlamentar atingido, o impedindo de cumprir seu mandato e compromissos assumidos com a população e impossibilitando sua possível reeleição.

Os agora poucos vereadores oposicionistas que permanecem no seu mandato em Garanhuns, conhecem de perto esta dura realidade.

Esperamos que, havendo uma nova decisão de Thiago Paes em se candidatar no próximo ano de 2024, já que pelo menos a cassação não o tornou inelegível, os verdadeiros donos do mandato, os seus eleitores, possam corrigir esta decisão e façam de fato justiça nas urnas, para minimizar os danos cometidos com a aplicação da controversa lei pelo TRE-PE.


Força Thiago Paes! Deus está no comando de todas as coisas. Você se afasta do front momentaneamente, mas de cabeça erguida.

Vergonha devem ter os que permanecem com ‘cabeça de lagartixa’ aprovando toda e qualquer pauta que lhes for lançada do Palácio, para sua própria conveniência.

"A justiça atrasada não é justiça; senão injustiça qualificada e manifesta." (Rui Barbosa)



1 comentário

1 Comment


Parabéns pela matéria, Marcelo Jorge, você descreveu exatamente a situação do veriador Thiago Paes. Quem votou nele, irá votar em outras eleições. Ele será vitorioso outra vez, pois é um homem de bem, que se preocupa com nossa querida Garanhuns. Deus o abençoe grandemente 🙌🏻🙌🏻🙌🏻🙏🏻💚🇧🇷🇧🇷🇧🇷

Like
bottom of page